Caiu, quebrou, tem jeito? Vale a pena consertar?


Olá pessoal!
Essa é mais uma postagem, que poderíamos ficar discutindo eternamente, mas vamos falar de forma rápida, para facilitar a sua decisão, sobre o conserto do headstock de instrumentos.

Que os instrumentos musicais, tais como guitarra, baixo, violão, cavaquinho, viola e etc, em sua maioria, construído por partes de madeiras coladas são frágeis e delicados, isso ninguém tem dúvida, mas pouca gente tem noção que todos esses instrumentos já suportam altas cargas de tensão, derivadas do tensionamento de cordas, e que simplesmente não se quebram a toa.

Se quiser conhecer mais sobre o tensionamento de cordas, veja esse vídeo abaixo.

Mas seguindo o raciocínio, um instrumento afinado como um violão por exemplo, está naturalmente submetido a uma tensão de cordas em torno de 60 kilos. Quando esbarramos o instrumento em algum lugar, ou o colocamos sob uma situação de estresse, como calor, umidade, por mais que o instrumento seja bem feito, ele vai sofrer. Ao menor esbarrão , esse tensionamento já natural das cordas, se multiplica, e cria uma força tão grande, que o instrumento não é capaz de aguentar e pode vir a quebrar.

O local e região que mais sofre com esse tensionamento, é a cabeça ou headstock do instrumento, onde as tarraxas geralmente estão instaladas.

A quebra nessa região, é difícil de ser recuperada, pois o ângulo na cabeça, dificulta o acesso de grampos e ferramentas em geral, sendo necessário o uso de ferramentas específicas e gabaritos,  para garantir o reparo correto.

Aqui em nossa luthieria, nos sempre pensamos em recuperar essa região de forma a garantir a estabilidade do instrumento, a resistência e manter o acabamento o mais próximo do original possível. 

Veja o exemplo das restaurações, nas fotos:

 

Você pode perceber pelas fotos, que as colagens estão alinhadas, não há sinais visíveis de colas ou trincas, os instrumentos estão todos visualmente preservados e tem novamente, a resistência necessária para aguentar o tensionamento de cordas tranquilamente, sem variação de afinação.

Uma coisa que você precisa evitar, é levar seu instrumento a um “profissional” que não tenha referências e não seja de confiança pois, não são raros os casos e relatos, de instrumentos que foram levados a pessoas sem capacidade profissional e ao invés de resolverem o problema, a situação acabou sendo piorada.

Aqui, chegam instrumentos, vindo de outros “profissionais”, que usaram parafusos para segurar a região, com retoques mal feitos, em que a região do quebrado é pintada de preto, para esconder o serviço e por falta de capacidade do luthier, em recuperar o acabamento original, etc. Enfim um show de horrores, então na dúvida, não deixe qualquer um fazer essa recuperação.

Devidamente esclarecida a questão que, é possível restaurar sim, a quebra do headstock , vamos aos outros pontos.

E quanto ao custo?

O serviço exige estrutura, não adianta tentar fazer no fundo de quintal. 

As etapas exigidas são:

-desmontagem completa do instrumento,

-recorte de madeiras,

-colagem com grampos e ferramentas específicas,

-lixamento,

-remodelação da madeira,

-preparação da pintura,

-pintura,

-polimento,

-montagem completa,

-nivelamento de trastes e regulagem,

Haja vista a quantidade de processos envolvidos, não há como ser barato.

Porém como temos uma estrutura completa, esse serviço se torna mais rápido e fácil de ser executado, assim o custo é bastante enxuto.

Veja só esse vídeo abaixo, mostrando exatamente como é feito todo o processo:

 

Sendo assim, para maioria dos instrumentos que são vendidos no mercado, o custo efetivo do reparo, não costuma superar o valor comercial do produto.

Vale lembrar também que costumamos entregar o instrumento já regulado, com cordas novas e pronto pra tocar, e esse custo de ajuste, regulagem é normal a todos os instrumentos que existem, pois precisam ser ajustados de tempos em tempos.

É claro que tem casos em que o conserto, é mais caro que o instrumento, pois alguns, são muito baratos e esses geralmente, são feitos de materiais alternativos, como compensado e mdf, o que torna o reparo inviável.

Então já sabe:

Precisou de um luthier bom em belo horizonte e região? 

Procure nossa Oficina de Luthieria

Abraços do Henrique Luthier